Escrever Bem

   
Pautas INCorporativa
FB   SetaRANKING SetaSala de imprensa SetaBusque Assessorias
 
 
Release
Bookmark and Share      

08/11/2017 - 10:26 - C4 Comunicação
Seis meses depois: avaliação da PROTESTE sobre o fim da franquia de bagagens
Seis meses depois: avaliação da PROTESTE sobre o fim da franquia de bagagens - C4 COMUNICAÇÃO

A Associação considera relevante a apuração da variação de preços ...

Siga as #pautas no Facebook e Twitter         www.pautas.incorporativa.com.br
De acordo com os recentes dados divulgados pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estáticas (IBGE) o preços das tarifas têm subido desde que a Resolução 400 da Anac estabeleceu o fim da franquia de bagagens. Entre junho a setembro, a alta chegou a 35,9%, segundo pesquisa realizada pela FGV e, 16,9%, conforme os dados divulgados pelo IBGE.

A PROTESTE , Associação de Consumidores, considera o fim da franquia de bagagem uma tendência mundial. Apenas três países mantêm a franquia – México, Venezuela e Rússia. Entretanto, da forma como a Anac (des)regulou o assunto, deixou a critério exclusivo das empresas definirem preços e condições, o que é extremamente prejudicial ao consumidor, parte mais fraca da relação de consumo e que por isso conta com proteção constitucional.

Na prática, ao contrário dos descontos esperados pela Anac, essa lacuna na Resolução, pode ensejar sobrepreço nas tarifas, sem nenhuma contrapartida social visível e mensurável.

Vale dizer, algo que deveria ser saudável em termos de mercado, inclusive com a chegada de companhias “low cost” ao Brasil – aumentando a competição, o que é sempre mais favorável aos consumidores –, poderá acarretar somente prejuízos ao consumidor que ficará ainda mais fragilizado perante as companhias aéreas.

Embora a resolução tenha previsto o aumento da bagagem de mão de 5 para até 10 quilos, também possibilitou que a companhia limite isso sob a alegação de falta de segurança. O consumidor jamais terá condição técnica de avaliar se a justificativa da empresa corresponde à realidade ou se a empresa resolveu, por exemplo, priorizar o transporte de carga.

Por tudo isso, a PROTESTE considera extremamente relevante que a apuração da variação de preços seja feita de forma consistente e imparcial, para que o consumidor, com vulnerabilidade reconhecida, possa ter garantido seu direito à liberdade de escolha, igualdade nas contratações e seja protegido contra práticas abusivas de elevação de preços sem justa causa.

Do jeito como está a “autorregulação do mercado”, a Resolução 400, que em sua maior parte poderia mostrar-se benéfica aos consumidores, entrará para a história como um marco regulatório danoso às relações de consumo, comprovando o ditado de que basta uma maçã podre para estragar toda a cesta.
Data de inclusão: 08/11/2017
Fone: (11) 0020202020
Contato: Flavia Santana
Empresa: C4 Comunicação
Entrar em contato: Entrar em contato
Grupo editorial: [Defesa do Consumidor][Indústria][Variedades ]
Este Release foi visto 159 vezes

Assessoria de Imprensa
LOGIN -  Inserir Release
Cadastrar Assessoria
Receber Clipping

 

saibamais

 

Clipping para Editores
Cadastrar Midia
Alterar cadastro de Midia
egoi
 
Alguns veículos cadastrados no clipping:
midias
 
 
 
 
 
 
  editora  

INCorporativa Comunicação

Publique seu livro - Saiba mais
   
       
       
       
 
       
 
Institucional
Quem Somos
Política Privacidade
Como funciona
 
Nas Redes Sociais  
Facebook Twitter
Linkedin ME Adiciona
 
Todo o conteúdo divulgado decorre de informações advindas das fontes mencionadas, sendo, portanto, de responsabilidade exclusiva da fonte ou do autor, não cabendo à INC Comunicação, à Revista ou Pautas INCorporativa responsabilidade por citações, teor, exatidão ou veracidade do conteúdo, produto ou serviço divulgado. Indicação de publicações são apenas para divulgação, não sendo avaliados por este veículo de comunicação.