Escrever Bem

   
Pautas INCorporativa
  SetaSALA DE IMPRENSA FB
 
 
Release
Bookmark and Share      

12/04/2018 - 11:16 - Redação Virtual
Protecionismo no século XXI
Protecionismo no século XXI - REDAÇÃO VIRTUAL

Nos acontecimentos gerais, podemos observar o lamentável desvio dos objetivos da sociedade humana. O interesse econômico privado vai se sobrepondo ao interesse público. Quando o poder público, que deve zelar pelos interesses do bem comum da vida, se  ...

Siga as #pautas no Facebook e Twitter         www.pautas.incorporativa.com.br
Com o avanço da precarização geral, é reduzido o número de pessoas que leem, buscando melhor discernimento. No século passado, as pessoas visitavam as livrarias alegremente. Quando viajavam de avião, costumavam passar pela recentemente falida livraria La Selva e adquirir livros para ler durante a viagem. No século atual, as pessoas mudaram a sua forma de pensar e as livrarias estão sendo fechadas. Quem gosta de ler vai se encaminhando para a Internet, enquanto a maioria mata o tempo com comédias chulas.

O protecionismo é um conjunto de medidas que visam favorecer as atividades econômicas internas, reduzindo e dificultando ao máximo as importações e a concorrência estrangeira. Foi muito utilizado na Europa durante os séculos 17 e 18. Os reis absolutistas criavam barreiras alfandegárias, aumentando os impostos de importação. Desta forma, dificultavam a venda de produtos do exterior em seu território provocando o seu encarecimento; os produtos nacionais ficavam sempre mais baratos, atraindo os consumidores, o que gerava empregos e reduzia a saída de ouro para fora.

Após a crise de 1929, nova onda de protecionismo varreu a economia. Com o término da Segunda Guerra Mundial surgiram os novos mecanismos de comércio, mas faltaram alternativas de equilíbrio das contas, pois a moeda empregada era o dólar americano lastreado no ouro até 1971 quando o pacto de Breton Woods foi extinto.

Na segunda metade do século 20, o protecionismo começou a perder força. Com o processo de globalização da economia, o comércio internacional passou a ser liberado, tendendo para queda das barreiras alfandegárias. Na Ásia, 200 milhões de braços com custo menor foram incorporados à força de trabalho, gerando uma revolução nos preços. Os mais aptos para a produção industrial foram engolindo os mais fracos, gerando aumento de dívidas e desemprego.

No século 21, há muitos problemas econômicos e sociais para serem enfrentados. O descuido com as contas sempre se vinga. Os Estados Unidos têm a maior dívida e o maior déficit comercial. O Brasil também se encontra em situação dramática das contas, e pior ainda pelo atraso em infraestrutura, educação e saúde. Abusos e gestão inadequada conduziram a isso, pois não há como sustentar déficits continuados. A ciência do dinheiro, em seu imediatismo, não se preocupou com os desajustes que iam surgindo, gerando desordem econômica e comercial com crises e desemprego.

Enfrentamos a nova realidade gerada pelo materialismo. Os aspectos econômicos e financeiros se impõem acima de tudo o mais. O mundo e o imaginário das pessoas estão mudando. O homem perdeu o bom senso intuitivo. O que no passado era feito com reservas, passou a ser feito ostensivamente. Com a recente decisão americana de impor taxas para a importação de aço e alumínio, evidencia-se o desequilíbrio das relações comerciais no mundo globalizado e não basta que os Estados Unidos voltem atrás. Experientes diplomatas e economistas estão preocupados com a ruptura do sistema de regras comerciais vigentes. No entanto, esperava-se mais da OMC; esperava-se melhor equilíbrio nas relações comerciais entre os países. A boa convivência mundial requer uma reestruturação econômico-financeira que gere equilíbrio nas relações globais.

A produção deslocalizada vai reduzindo renda, consumo e arrecadação. As importações são pagas em dólar que são obtidos com exportações ou empréstimos. O financiamento dos déficits levou a dívidas enormes. Há semelhança com a situação dos anos 1930, mas agora novas variáveis ampliaram a complexidade. Os efeitos de muitas decisões imediatistas estão aguardando o desfecho neste mundo com mais de sete bilhões de almas encarnadas vivendo em conflito com as leis da natureza. A Terra acolhe a todos, no presente e no futuro, daí a grande responsabilidade dos humanos de beneficiar, embelezar e preservar tudo para si e para os que virão após.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Prodigy Berrini Grand Hotel, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012...e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin - Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7
Data de inclusão: 12/04/2018
Fone: (11) 50966780
Contato: Silvia
Empresa: Redação Virtual
Entrar em contato: Entrar em contato
Grupo editorial: [Comportamento][Economia e Finanças][Opinião]
Este Release foi visto 241 vezes

Assessoria de Imprensa
LOGIN -  Inserir Release
Cadastrar Assessoria
Receber Clipping

 

saibamais

 

Clipping para Editores
Cadastrar Midia
Alterar cadastro de Midia
 
 
 
 
 
 
 
 
  editora  

INCorporativa Comunicação

Publique seu livro - Saiba mais
   
       
       
       
 
       
 
Institucional
Quem Somos
Política Privacidade
Como funciona
 
Nas Redes Sociais  
Facebook Twitter
Linkedin ME Adiciona
 
Todo o conteúdo divulgado decorre de informações advindas das fontes mencionadas, sendo, portanto, de responsabilidade exclusiva da fonte ou do autor, não cabendo à INC Comunicação, à Revista ou Pautas INCorporativa responsabilidade por citações, teor, exatidão ou veracidade do conteúdo, produto ou serviço divulgado. Indicação de publicações são apenas para divulgação, não sendo avaliados por este veículo de comunicação.