Escrever Bem

   
Pautas INCorporativa
  SetaSALA DE IMPRENSA FB
 
 
Release
Bookmark and Share      

21/05/2018 - 11:23 - #Mac Comunicação e Marketing
Congresso Nacional de Hotéis debateu os rumos do setor
Congresso Nacional de Hotéis debateu os rumos do setor - #MAC COMUNICAÇÃO E MARKETING

Um dos mais tradicionais eventos da indústria hoteleira e do setor de turismo do país, a 60ª edição do Congresso Nacional de Hotéis (Conotel), aconteceu, de 16 a 18 de maio, em Fortaleza. O importante evento, depois de dez anos, voltou a se realizar  ...

Siga as #pautas no Facebook e Twitter         www.pautas.incorporativa.com.br
Um dos mais tradicionais eventos da indústria hoteleira e do setor de turismo do país, a 60ª edição do Congresso Nacional de Hotéis (Conotel), aconteceu, de 16 a 18 de maio, em Fortaleza. O importante evento, depois de dez anos, voltou a se realizar fora do eixo Rio-São Paulo e, deste ano em diante, promete se tornar itinerante. Em 2019, Goiânia será a sede da 61ª edição.

Depois de três dias de debates sobre os caminhos para que o setor hoteleiro retome os trilhos do crescimento, após três anos de perda de receitas, o Congresso foi encerrado com a análise de números que indicam um cenário pouco alentador para o segmento no curto prazo.
Chefe da Divisão Econômica da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), o economista Fábio Bentes afirmou que o segmento de serviços, em especial o turismo, ainda não conseguiu superar a crise econômica que teve início em 2014. Pelos cálculos de Bentes, após ter registrado uma queda de 6% da receita real no ano passado, o setor, este ano, deve enfrentar uma nova redução das receitas, da ordem de 4%.

“O que podemos constatar a partir do desempenho recente é que a crise ainda não acabou. Ainda existe muito terreno para ser recuperado após a fortíssima queda da atividade dos últimos anos”, declarou o economista. Segundo ele, entre 2015 e fevereiro de 2018, a perda de faturamento do turismo no Brasil chegou a R$ 157 bilhões. Sua conclusão é que “neste ritmo, o setor de turismo só conseguirá se recuperar da atual situação em 2020”.

Além de incertezas políticas e econômicas, outro problema que ajuda a retardar a retomada do crescimento verificado até 2014 está o aumento da sensação de insegurança. Um recente estudo da CNC concluiu que só o Rio de Janeiro, no ano passado, perdeu R$ 1 bilhão com os impactos negativos da violência.

Após lembrar que o turismo responde por 8% do emprego formal no país, Bentes demonstrou que, entre 2015 e 2017, cerca de 7 mil estabelecimentos de hospedagem fecharam as portas em todo o país, encerrando milhares de postos de trabalho formal.

A questão fundamental fica por conta do governo que, na sua política de corte de gastos, brinda o Ministério do Turismo com o menor orçamento entre todos os Ministérios. Dessa forma, o turismo não é prioridade comercial, econômica e de geração de empregos.
Enquanto isso, outros concorrentes da América, sem se falar em Estados Unidos e Canadá, países como o México, Peru e Colômbia, investem muito mais que o Brasil na divulgação da qualidade do turismo em seus países.

O estudo “Competitividade do Brasil no Turismo Global, do Euromonitor Internacional, apresenta a Argentina, México, Peru e a República Dominicana como alguns dos principais concorrentes do Brasil atualmente. Segundo as estatísticas do Euromonitor, 6,8 milhões de turistas estrangeiros estiveram no Brasil em 2016, com a ajuda da Copa do Mundo de Futebol e Olimpíada.

Atualmente, a expectativa do Brasil é alcançar, até 2020, 7,4 milhões de visitantes. O México contou, em 2016, com 34 milhões de turistas, prevendo, para 2020, receber 40,5 milhões de visitantes. Quase seis vezes mais turistas internacionais que o Brasil.

“O ranking de competitividade 2017 do Fórum Econômico Mundial, outra importante fonte do turismo, aponta que a República Dominicana está em 7º lugar entre os países que mais prioriza o turismo, o México na 30ª colocação, a Argentina na 66ª, o Peru como 69º colocado e o Brasil, na lanterna, em 106ª colocação.”

Questão de Orçamento

Em 2011 o orçamento do Ministério do Turismo, sem as emendas parlamentares, foi de R$ 808 milhões. O orçamento da pasta para 2018 é 70% menor do valor com que há seis anos foi contemplada. Desde 2011, o volume destinado ao MTur no orçamento anual vem caindo ano a ano. Em 2012 o MTur foi contemplado com R$ 734 milhões. Em 2014, R$ 611 milhões foram destinados ao turismo, enquanto em 2015 o valor caiu para R$ 450 milhões. Para 2018, a pasta foi contemplada com R$ 247,6 milhões.

A Embratur (braço do Ministério do Turismo para promover o Brasil lá fora) tem boa vontade, mas o orçamento é muito pequeno. Teria que ser de R$ 1 bilhão, para participar de mais feiras, desenvolver aplicativos de turismo, comprar horário no Discovery Channel, se promover nas companhias aéreas, nas revistas internacionais de turismo e ativar com mais força o setor de turismo das embaixadas e consulados espalhados por todo o mundo.

E, assim, o Brasil vai perdendo a liderança na América do Sul na recepção de turistas internacionais, ano a ano. Enquanto o Brasil investiu menos de U$ 20 milhões em 2017, a Argentina destinou à sua propaganda do turismo 80 milhões de dólares, o Peru, 95 milhões e a Colômbia, 100 milhões de dólares.
Data de inclusão: 21/05/2018
Fone: (11) 5521-3483
Contato: Raul Machado
Empresa: #Mac Comunicação e Marketing
Entrar em contato: Entrar em contato
Grupo editorial: [Administração][Economia e Finanças][Turismo ]
Este Release foi visto 434 vezes

Assessoria de Imprensa
LOGIN -  Inserir Release
Cadastrar Assessoria
Receber Clipping

 

saibamais

 

Clipping para Editores
Cadastrar Midia
Alterar cadastro de Midia
 
 
 
 
 
 
 
 
  editora  

INCorporativa Comunicação

Publique seu livro - Saiba mais
   
       
       
       
 
       
 
Institucional
Quem Somos
Política Privacidade
Como funciona
 
Nas Redes Sociais  
Facebook Twitter
Linkedin ME Adiciona
 
Todo o conteúdo divulgado decorre de informações advindas das fontes mencionadas, sendo, portanto, de responsabilidade exclusiva da fonte ou do autor, não cabendo à INC Comunicação, à Revista ou Pautas INCorporativa responsabilidade por citações, teor, exatidão ou veracidade do conteúdo, produto ou serviço divulgado. Indicação de publicações são apenas para divulgação, não sendo avaliados por este veículo de comunicação.