Escrever Bem

   
Pautas INCorporativa
FB   SetaRANKING SetaSala de imprensa SetaBusque Assessorias
 
 
Release
Bookmark and Share      

13/06/2018 - 12:49 - DOC Press
Fogos de artifício já mataram 218 pessoas no Brasil e acidentes aumentam com festas juninas e Copa do Mundo
Fogos de artifício já mataram 218 pessoas no Brasil e acidentes aumentam com festas juninas e Copa do Mundo - DOC PRESS

Para cada pessoa morta, três sobrevivem, em média, com queimaduras no rosto e nas mãos. Foram 4.394 internações, no período de 2010 a 2017 ...

Siga as #pautas no Facebook e Twitter         www.pautas.incorporativa.com.br
O Colégio Brasileiro de Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial acaba de concluir um levantamento com base nos registros de mortes e internações em hospitais públicos de saúde ou conveniados ao SUS, em relação às queimaduras por fogos de artifício. Segundo o estudo, 218 pessoas perderam a vida depois de manipular foguetes ou rojões. Somente em 2016, último dado disponível, foram 21 mortes, um recorde.
\"O ano da Copa no Brasil (2014) tinha registrado o maior número de mortes por fogos de artifício (19 vítimas), mas foi superado em 2016. A nossa expectativa é que o potencial seja grande novamente em 2018 e por isso o Colégio decidiu fazer uma campanha de orientação nas mídias sociais para que não repliquemos essa triste estatística\", conta o presidente da entidade, José Rodrigues Laureano Filho.
Nos últimos 20 anos, o Sudeste registrou 84 mortes, seguido do Nordeste, onde as festas juninas são bastante tradicionais, com 75 mortes. Depois aparecem as regiões Sul (33), Norte (19) e Centro-Oeste (7). \"Mas existe uma grande probabilidade que haja uma subnotificação e os dados reais sejam ainda maiores\", completa Laureano.
No mês de junho, o número de pacientes com entrada nos hospitais por queimaduras com fogos triplica, por conta das tradicionais festas de Santo Antônio (13/06), São João (24/06) e São Pedro (29/06). O levantamento do Colégio Brasileiro de Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial, entidade que congrega os cirurgiões-dentistas especializados em cirurgia buco-maxilo-facial, registrou 4.394 internações, no período de 2010 a 2017, sendo que o estado recordista é a Bahia com 893, seguido por São Paulo (827) e Minas Gerais (614). Em quarto lugar aparece o Rio de Janeiro (374 internações), depois o Pará (210), Paraíba (182), Paraná (159), Santa Catarina (133), Ceará (116) e Rio Grande do Sul (103). Os demais estados tem menos de 100 casos de internações/cada.
\"Estados onde as festas são mais tradicionais, com guerra de espadas de fogo, embora proibida, ainda geram muitos acidentes e mortes. E com as comemorações em jogos da Copa, os riscos passam a ser maiores\", alerta José Rodrigues Laureano Filho.
O Colégio Brasileiro de Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial lembra que as queimaduras no rosto podem envolver diversos especialistas para a reconstrução de uma face ferida por fogos de artifício, além de sequelas que podem ficar para a vida toda. \"O melhor é evitar ou seguir recomendações do fabricante, além de comprar sempre em lojas credenciadas. Embora a legislação proíba que menores de idade manipulem fogos de artifício, cerca de um em cada quatro internado era menor de 18 anos. \"Os pais precisam redobrar a atenção, principalmente nessa época do ano, e conversar sobre o assunto com os filhos\", recomenda o especialista.
Data de inclusão: 13/06/2018
Fone: (11) 55338781
Contato: José Luchetti
Empresa: DOC Press
Entrar em contato: Entrar em contato
Grupo editorial: [Cidades][Geral][Saúde ]
Este Release foi visto 369 vezes

Assessoria de Imprensa
LOGIN -  Inserir Release
Cadastrar Assessoria
Receber Clipping

 

saibamais

 

Clipping para Editores
Cadastrar Midia
Alterar cadastro de Midia
egoi
 
Alguns veículos cadastrados no clipping:
midias
 
 
 
 
 
 
  editora  

INCorporativa Comunicação

Publique seu livro - Saiba mais
   
       
       
       
 
       
 
Institucional
Quem Somos
Política Privacidade
Como funciona
 
Nas Redes Sociais  
Facebook Twitter
Linkedin ME Adiciona
 
Todo o conteúdo divulgado decorre de informações advindas das fontes mencionadas, sendo, portanto, de responsabilidade exclusiva da fonte ou do autor, não cabendo à INC Comunicação, à Revista ou Pautas INCorporativa responsabilidade por citações, teor, exatidão ou veracidade do conteúdo, produto ou serviço divulgado. Indicação de publicações são apenas para divulgação, não sendo avaliados por este veículo de comunicação.