Escrever Bem

   
Pautas INCorporativa
  SetaSALA DE IMPRENSA FB
 
 
Release
Bookmark and Share      

31/07/2018 - 17:15 - ToddaiCOM
Assespro e ALETI divulgam resultados de pesquisa que detalha o perfil das empresas do setor de TIC
Assespro e ALETI divulgam resultados de pesquisa que detalha o perfil das empresas do setor de TIC - TODDAICOM

Realizado em 2017, o censo mostra o quanto o setor cresceu em faturamento e em volume de contratações e investiu em Pesquisa e Desenvolvimento. ...

Siga as #pautas no Facebook e Twitter         www.pautas.incorporativa.com.br
A Assespro Nacional (www.assespro.org.br) e a ALETI (Federação Ibero-Americana das Entidades de Tecnologia da Informação) acabam de divulgar os resultados do Censo do Setor de TIC.

O levantamento se refere as atividades das empresas do setor de TI durante o ano de 2017 e englobou a participação de um pouco mais de 500 companhias do segmento localizadas não apenas no Brasil, como também nos 19 países membros da ALETI nas Américas (do Norte, Central e do Sul), assim como Portugal, Eslovênia, Bangladesh, Nigéria e República da Macedônia.

A pesquisa é realizada anualmente e está em sua 5ª edição trazendo resultados relevantes e detalhando o perfil do setor de tecnologia. “Nosso principal objetivo com este levantamento é atualizar as informações sobre o nosso setor e assim obter um retrato sobre as estratégias de desenvolvimento e chamando a atenção do mercado para os investimentos em pesquisa, desenvolvimento e inovação”, explica Jeovani Salomão, presidente da Assespro Nacional.


Empresas de TI: quem são elas?

A pesquisa começa por mostrar a idade média das empresas participantes, onde a grande maioria, cerca de 40% da amostragem, é composta por companhias que atuam no mercado desde os anos de 1991 a 2000.

A novidade deste ano é o aparecimento de empresas que nasceram há pouco mais de dois anos, é um índice tímido, menos de 2%, mas inédito e que vale o registro. “As startups são hoje, sem dúvida, grandes impulsionadoras de novos negócios do nosso setor. São elas responsáveis, inclusive pelos investimentos em ações de pesquisa e desenvolvimento”, ressalta Roberto Mayer, diretor Diretor-Adjunto de Comunicação da Assespro Nacional e Vice-Presidente da ALETI e coordenador da pesquisa.

O censo vai de encontro com o perfil do setor de tecnologia em todo o mundo. Pois, na pesquisa, a grande maioria das que responderam, cerca de 46%, são empresas de pequeno a médio porte que faturam de R$540 mil a R$5,4 mi ao ano.

Crescimento, apesar da crise

Outro dado bastante interessante apontado pelo Censo de TI 2017 da Assespro e a ALETI é em relação ao crescimento dessas empresas, não só em volume de negócios, como também em número de novas contratações. Em 2015, o índice de empresas com taxas estáveis (com crescimento menor a 5%) correspondia a cerca de 20% do total, já em 2017 este mesmo índice diminui para 10%, o que nos mostra que essas empresas, apesar da crise se reinventaram e conseguiram manter um índice de crescimento razoável, uma vez que grande parte da amostragem (44%) se concentrou em empresas que apontaram crescimento entre de 5% a 25%.

Já no que diz respeito ao volume de contratações de mão de obra também foi possível observar um aumento razoável do crescimento na faixa entre 10% a 25%. Em 2015, este índice atingia 12% da amostragem e em 2017 este mesmo foi para 18%, e houve também uma diminuição de 10% em 2015 para 4% em 2017 na faixa que calcula o enxugamento da força de trabalho dessas empresas denominada na pesquisa por “redução de 10% a 25% sob o volume de contratações”.

“Isso nos mostra que houve sim um aumento no número de pessoas contratadas em 2017 principalmente para o desenvolvimento em projetos especiais, tais como implementações de novos softwares de gerenciamento, por exemplo”, ressalta Mayer.


Longo caminho para investimentos em Inovação

O censo também abordou os investimentos das empresas em projetos dedicados a Pesquisa e Desenvolvimento e Inovação (P&D&i). Mantiveram-se altos os índices que apontavam nenhum ou o investimento em um (1) ou dois (2) projetos tanto em 2015 (44%), quanto em 2017 (38%). Porém, foi possível observar um salto, ainda que tímido, nos intervalos que apontavam o investimento em 9 a 25 projetos. Em 2015, este índice chegou a 6% e em 2017 saltou para 10%, aproximadamente.

Ainda falando em P&D, o censo abriu um espaço para ressaltar os índices relacionados às empresas brasileiras. A boa notícia é que foi detectada uma diminuição de 24% (em 2015) para 14% (em 2017) sob a faixa de nenhum investimento em P&D e um aumento de 12% (em 2015) para 16% (em 2017) de empresas que investiram entre 8% a 15% de seu faturamento em ações de P&D.

“Entretanto, com estes resultados apontados por nossa pesquisa, ainda fica evidente que o nosso setor pode investir mais em ações de inovação e precisamos ressaltar a força da pesquisa como grande propulsora do desenvolvimento dessas empresas, até mesmo por questão de sobrevivência em um mercado tão competitivo e dinâmico”, finaliza Salomão.
Data de inclusão: 31/07/2018
Fone: (11) 996400800
Contato: patricia toddai
Empresa: ToddaiCOM
Entrar em contato: Entrar em contato
Grupo editorial: [Internet][Tecnologia]
Este Release foi visto 296 vezes

Assessoria de Imprensa
LOGIN -  Inserir Release
Cadastrar Assessoria
Receber Clipping

 

saibamais

 

Clipping para Editores
Cadastrar Midia
Alterar cadastro de Midia
 
 
 
 
 
 
 
 
  editora  

INCorporativa Comunicação

Publique seu livro - Saiba mais
   
       
       
       
 
       
 
Institucional
Quem Somos
Política Privacidade
Como funciona
 
Nas Redes Sociais  
Facebook Twitter
Linkedin ME Adiciona
 
Todo o conteúdo divulgado decorre de informações advindas das fontes mencionadas, sendo, portanto, de responsabilidade exclusiva da fonte ou do autor, não cabendo à INC Comunicação, à Revista ou Pautas INCorporativa responsabilidade por citações, teor, exatidão ou veracidade do conteúdo, produto ou serviço divulgado. Indicação de publicações são apenas para divulgação, não sendo avaliados por este veículo de comunicação.