Escrever Bem

   
Pautas INCorporativa
FB   SetaRANKING SetaSala de imprensa SetaBusque Assessorias
 
 
Release
Bookmark and Share      

29/08/2018 - 15:22 - #Verbo Nostro Comunicação Planejada
Investir em produção para banco de imagens é alternativa eficaz para faturamento na área de fotografia
Investir em produção para banco de imagens é alternativa eficaz para faturamento na área de fotografia - #VERBO NOSTRO COMUNICAÇÃO PLANEJADA

Paulo Vilela, fotógrafo de Ribeirão Preto (SP), ocupa o quarto lugar no País em número de imagens publicadas em banco de imagens, no que se refere à venda e em faturamento. Hoje, fatura cerca de U$ 48 mil por ano com este novo segmento.
 ...

Siga as #pautas no Facebook e Twitter         www.pautas.incorporativa.com.br
Ribeirão Preto (SP), 28 de agosto de 2018 - Registrar fatos do dia, eventos, situações pessoais e sociais passou a criar uma nova mania nas pessoas do mundo atual: a fotografia, principalmente com o crescente uso de smartphones. Profissionais do mercado fotográfico apontam que esse crescente apelo das imagens tem estimulado um cenário profissional diferente. E alertam: é preciso estar atento às oportunidades que se adaptam na velocidade das mudanças do setor e saber usar as ferramentas que alavancam negócios.

A produção para bancos de imagens, por exemplo, sinaliza um nicho com excelentes alternativas de ganho e produção, “mas ainda não é bem utilizada pela maioria dos fotógrafos”. É o que afirma o fotógrafo Paulo Vilela que investiu seu tempo e energia para produzir imagens com padrão e qualidade para serem inseridas no principais bancos de imagens mundiais. E deu certo. Hoje, ele fatura cerca de U$ 48 mil por ano, além de seus ganhos com trabalhos constantes – principalmente na área de produção publicitária, seu principal foco de atuação - até descobrir os resultados de banco de imagens.

Paulo atua em Ribeirão Preto há 20 anos, teve formação em Publicidade e Propaganda, mas descobriu sua vocação para a fotografia muito antes. “Sempre gostei de fotografar – desde pequeno - e quando ganhei meu primeiro dinheiro trabalhando como office boy aos 17 anos, comprei minha primeira câmera semi profissional: uma Minolta manual. Eu a tenho até hoje”, conta. De lá para cá, as experiências do fotógrafo se diversificaram entre as produções jornalísticas e publicitárias. Seu primeiro emprego foi em jornal e depois passou a fotografar para coluna social de revista. No ano de 1999, direcionou a sua produção em fotografia para a área publicitária. E logo mais, no ano 2000, iniciou a carreira docente. “Dois meses depois de me formar, passei a ser professor de fotografia universitário”.

O fotógrafo lembra que o trabalho que impulsionou sua carreira foi uma produção para o grupo Votorantim, em 1999, quando registrou as fábricas de cimento do grupo em todo o Brasil. Com esse portfolio nas mãos, produziu fotos para empresas como Google, Oracle, Microsoft, Bertin, Democrata, Fiesp, entre outros.

“Na verdade não fui eu que escolhi a fotografia. A fotografia me escolheu. Sempre fiz fotografia com paixão, dedicação, sem nunca pensar no dinheiro. Pensava sempre em fazer o melhor possível e continuo fazendo da mesma forma, procurando entregar sempre mais do que o cliente me solicita”. O empenho profissional de Paulo o levou a apostar em novos nichos, tecnologias diferenciadas, formas de trabalho adaptadas às demandas de clientes e características do mercado.

“Ampliei os horizontes na fotografia, me especializei em áreas até hoje pouco exploradas, como a fotografia 360º (tour virtual)”. Essas experiências possibilitaram ao profissioanl produzir trabalhos de grande porte, como o Museu do Catelo Ra-tim-bum no Mis São Paulo; o Museu Candido Portinari (em três idiomas); Museu Felicía Leirner em Campos do Jordão (em três idiomas); Museu Índia Vanuíre, em Tupã (em três idiomas); um resort cinco estrelas na Argentina, entre outros.

Há seis anos, quando surgiram os primeiros drones, Paulo entrou nesse mercado e passou a fazer fotos e vídeos de todo o litoral Paulista, litoral Paranaense, Santa Catarina, Rio de Janeiro e Pará.

Com todas inovações que acompanhou em sua carreira, o fotógrafo afirma que o universo dos banco de imagens é que tem motivado seu trabalho a crescer. Esse mercado virou para ele um caminho de oportunidades, com crescimento rápido do faturamento mensal.

Ele começou a enxergar esse segmento em 2002, antes mesmo da criação dos grandes bancos como Shutterstock e Istockphotos. Com a evolução da Internet e já percebendo o crescimento desse mercado, o fotógrafo decidiu montar o seu próprio banco de imagens – o Foto Síntese. “Com isso, sempre preservei muito bem os meus arquivos, tanto os negativos, quanto os digitais”.

Paulo conta que, com o surgimento dos grandes bancos de imagens, foi percebendo que era impossível ter um banco próprio e viu se formar um mercado cada vez mais promissor, que por muitas vezes, ocupava exatamente a área em que atuava: a publicidade. “Decidi entrar para o primeiro banco de imagens mundial, o IstockPhotos, em 2012, de forma modesta e estudando o mercado, que até então era explorado somente por fotógrafos internacionais”.

Dois anos depois, ele entrou para o segundo banco, o Shutterstock e no primeiro mês vendeu seis imagens, o que resultou num ganho de apenas U$1,50 – valor nada atrativo para quem enxerga o mercado de fora. Mas resolveu ter paciência e aguardar o retorno. “Já no segundo mês, tive um crescimento de 3000% e faturei U$45”, diz. Foi aí que percebeu que o mercado prometia bons resultados e resolveu investir mais seu potencial para novas produções. “Nenhum outro negócio cresce 3.000% de um mês para o outro e aí intensifiquei as minhas produções. Terminei o ano de 2014 com 6.830 fotos vendidas e um ganho de U$ 3.850”, lembra.

Em 2015, Vilela entrou para mais oito grandes bancos e teve rápido crescimento de 550% no faturamento, passando de U$ 3.850 para mais de U$ 21 mil no segundo ano. “Depois disso, não parei mais e já vendi mais de 100 mil fotos e videos com um faturamento de U$ 150 mil em quatro anos”, relata. Atualmente, a média de faturamento do fotógrafo é de U$ 4 mil com vendas de mais de três mil fotos e vídeos por mês. Hoje, ele ocupa o quarto lugar no País em número de imagens (20.100) no que se refere à venda e em faturamento.

Para ele, esse novo mercado veio pra ficar e tornou-se o principal meio de compra de imagens e vídeos pelo mercado publicitário e editorial. “Como publicitário e fotógrafo de publicidade, tenho uma visão mais ampla para entender o que os compradores buscam em uma imagem, nas questões estéticas, de enquadramento, composição, tendênciais e emocionais para a venda de produtos e serviços”, comenta.

O fotógrafo acredita que este nicho só tende a crescer, mas avalia que os fotógrafos brasileiros ainda não entenderam o seu verdadeiro potencial. “O que acontece é que os fotógrafos acham, na maioria das vezes, injustos os ganhos por imagem vendida, inicialmente centavos de dólares”, acrescenta. Ele também afirma que o fator linguístico inibe os profissionais, já que os bancos são na maioria americanos. A falta de conhecimento da língua inglesa, acaba sendo a maior barreira para entrar nesse mercado.

Atualmente, os maiores contribuidores do mundo nos bancos são os russos e os tailandeses e na ótica de Paulo Vilela há um campo emergente para os brasileiros. “O que os fotógrafos do nosso país precisam entender é que estamos falando de um mercado mundial de imagens. Portanto, os centavos podem se tornar milhares e até milhões de dólares”. Ele cita como incentivo o exemplo do fotógrafo e cinegrafista americano, Robb Crocker, que faturou em três anos, cerca de U$ 7 milhões com produções de vídeos para bancos de imagens mundiais. Acesse video do cinegrafista em acão: https://vimeo.com/86199323

Já experiente, Paulo ainda arrisca: “nenhum fotógrafo deve deixar a sua área para se dedicar somente à venda online de imagens. Deve explorar a sua área para produzir conteúdo para os bancos, aproveitando cenas que estão na sua frente e que de repente alguém no mundo possa precisar”, avalia. Segundo ele, em qualquer lugar é possível produzir fotos que possam vender nestes canais. “No meu caso, continuo atendendo ao mercado e a cada trabalho, seja ele em estúdio ou externa, encontro algum detalhe que pode virar conteúdo para vender pela internet”.

Como conselho final, o fotógrafo diz que os bancos de imagens só são lucrativos para quem é perseverante, pró-ativo e pensa em rendimento a médio e longo prazo. “Isso tudo com muito trabalho de qualidade”, conclui.


Atendimento à Imprensa
Verbo Nostro Comunicação Planejada – (16) 3632-6202 / 3610-8659
Jornalistas responsáveis: Luciana Grili (16) 99152 2707, Valter Jossi Wagner (16) 99152 2700 e Andréa Berzotti (16) 99138 6185.
Colaboração: Juliana Castro e Gabriel Todaro
Data de inclusão: 29/08/2018
Fone: (16) 36108659
Contato: Verbo Nostro Comunicação Planejada
Empresa: #Verbo Nostro Comunicação Planejada
Entrar em contato: Entrar em contato
Grupo editorial: [Cidades][Eventos][Geral]
Este Release foi visto 302 vezes

Assessoria de Imprensa
LOGIN -  Inserir Release
Cadastrar Assessoria
Receber Clipping

 

saibamais

 

Clipping para Editores
Cadastrar Midia
Alterar cadastro de Midia
egoi
 
Alguns veículos cadastrados no clipping:
midias
 
 
 
 
 
 
  editora  

INCorporativa Comunicação

Publique seu livro - Saiba mais
   
       
       
       
 
       
 
Institucional
Quem Somos
Política Privacidade
Como funciona
 
Nas Redes Sociais  
Facebook Twitter
Linkedin ME Adiciona
 
Todo o conteúdo divulgado decorre de informações advindas das fontes mencionadas, sendo, portanto, de responsabilidade exclusiva da fonte ou do autor, não cabendo à INC Comunicação, à Revista ou Pautas INCorporativa responsabilidade por citações, teor, exatidão ou veracidade do conteúdo, produto ou serviço divulgado. Indicação de publicações são apenas para divulgação, não sendo avaliados por este veículo de comunicação.