Escrever Bem

   
Pautas INCorporativa
  SetaSALA DE IMPRENSA FB
 
 
Release
Bookmark and Share      

13/09/2018 - 11:43 - DOC Press
Tempo para liberação de cargas pela Anvisa em portos e aeroportos aumentou em 50% nas últimas semanas, segundo Monitoramento da ABRAIDI
Tempo para liberação de cargas pela Anvisa em portos e aeroportos aumentou em 50% nas últimas semanas, segundo Monitoramento da ABRAIDI - DOC PRESS

O prazo médio de liberação é de 21 dias úteis, mas já existem localidades que supera os 30 dias úteis. Para a ABRAIDI, o sistema caminha para um novo colapso. ...

Siga as #pautas no Facebook e Twitter         www.pautas.incorporativa.com.br
O \"Monitoramento ABRAIDI de Liberação Sanitária em PAFs - Portos, Aeroportos e Fronteiras\", realizado semanalmente pela Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Produtos para Saúde, com base em dados oficiais, revelou um significativo aumento nos prazos para a liberação de cargas de produtos importados pela Anvisa. A ABRAIDI constatou casos onde o prazo supera os 30 dias úteis e um novo pico de média de 21 dias úteis, em 31 de agosto. Um aumento de cerca de 50% em relação ao início de julho. O Monitoramento da ABRAIDI também constatou uma elevação significativa do número de processos em fila na Agência. No início de julho eram 4.286 e no final de agosto já eram 6.945 processos, um aumento de 62%.
Nas informações fornecidas pela Agência são considerados 90% dos processos para contabilização do prazo, sendo excluídos os 5% melhores e 5% piores resultados. Para o coordenador do Grupo de Trabalho de Logística da ABRAIDI, Gil Pinho, os 10% de extremos eliminados no cálculo são onde estão os problemas.
Integrantes do GT de Logística da ABRAIDI manifestaram, ainda no final do mês de junho, insatisfação com as questões relacionadas à demora na liberação de cargas à Gerência de Controle Sanitário de Produtos e Empresas em Portos, Aeroportos, Fronteiras e Recintos Alfandegados (GCPAF) da Anvisa. Na reunião, o representante da Agência informou que as empresas deveriam começar a sentir melhora efetiva nos prazos dentro de três meses. “Além de não melhorar, ainda piorou”, demonstra o coordenador do Grupo de Trabalho de Logística, com base nos números do Monitoramento.
Em 3 de setembro, o diretor-executivo da ABRAIDI, Bruno Bezerra, participou de nova reunião na Agência, entregou um ofício à Diretoria de Controle e Monitoramento Sanitários da Anvisa apontando novamente os problemas e afirmou que “o sistema caminha para um colapso”. O diretor da Agência, Willian Dib, relatou que começou a parametrização das cargas efetivamente há uma semana e de forma manual, comentou sobre os sérios problemas de TI que a Anvisa enfrenta, fruto da falta de investimento e prioridade neste setor, e que isso tem atrapalhado a implementação mais rápida da parametrização de forma automatizada. Segundo Dib, as filas e o aumento do prazo médio de análise foram causados pelas divergências em relação à validade dos produtos importados, que afetou muito os produtos de diagnóstico in vitro e começaram agora a ocorrer também para dispositivos médicos. O diretor ainda informou que a compra de dois sistemas de informação novos para peticionamento e rastreabilidade não foram concluídos: o primeiro por bloqueio do TCU e o segundo porque os diretores vetaram. Willian Dib ressaltou a necessidade da Agência investir nessa área para avançar.
“A insatisfação com o tempo para liberações ainda elevado e a mudança de metodologia no cálculo médio de prazos de tramitação e análise são reclamações constantes dos associados que sentem no dia a dia os entraves cada vez maiores. Há relatos de desabastecimento de produtos em alguns estados do Brasil como São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo e Bahia”, revela Bruno Bezerra.
O \"Monitoramento ABRAIDI de Liberação Sanitária em PAFs - Portos, Aeroportos e Fronteiras\" é feito desde 2014. O processo de fiscalização sanitária da importação de mercadorias é manual e necessita da checagem de inúmeras informações espalhadas em fontes diferentes. O importador tem que informar códigos, descrições e número de registro, que devem ser checados um a um nos bancos de dados da Anvisa. São aferidos os números e validades das Autorizações de Funcionamento (AFE); Alvará Sanitário (Vigilância Sanitária do município aonde o importador se localiza); os nomes e endereços dos exportadores; as condições de armazenagem da carga (zonas de temperatura); os certificados de esterilização, se for o caso; os dizeres de rótulo e embalagem na língua de origem. Em alguns casos, é realizada, inclusive, uma inspeção física, com contagem e verificação da conformidade da mercadoria com os documentos de embarque e transporte.
Data de inclusão: 13/09/2018
Fone: (11) 55338781
Contato: José Luchetti
Empresa: DOC Press
Entrar em contato: Entrar em contato
Grupo editorial: [Comércio Exterior][Governo][Saúde ]
Este Release foi visto 237 vezes

Assessoria de Imprensa
LOGIN -  Inserir Release
Cadastrar Assessoria
Receber Clipping

 

saibamais

 

Clipping para Editores
Cadastrar Midia
Alterar cadastro de Midia
 
 
 
 
 
 
 
 
  editora  

INCorporativa Comunicação

Publique seu livro - Saiba mais
   
       
       
       
 
       
 
Institucional
Quem Somos
Política Privacidade
Como funciona
 
Nas Redes Sociais  
Facebook Twitter
Linkedin ME Adiciona
 
Todo o conteúdo divulgado decorre de informações advindas das fontes mencionadas, sendo, portanto, de responsabilidade exclusiva da fonte ou do autor, não cabendo à INC Comunicação, à Revista ou Pautas INCorporativa responsabilidade por citações, teor, exatidão ou veracidade do conteúdo, produto ou serviço divulgado. Indicação de publicações são apenas para divulgação, não sendo avaliados por este veículo de comunicação.