Escrever Bem

   
Pautas INCorporativa
  SetaSALA DE IMPRENSA FB
 
 
Release
Bookmark and Share      

22/09/2020 - 11:38 - Redação Virtual
Reset ou rissit?
Reset ou rissit? - REDAÇÃO VIRTUAL

Como interromper o processo já percorrido e reiniciar, o que se faz com frequência em aparelhos eletrônicos, modem e outros.  ...

Siga as #pautas no Facebook e Twitter         www.pautas.incorporativa.com.br

O século 21 iniciou com estrondos e mortes. Torres Gêmeas de Nova York, guerras no Iraque e na Síria. Ensaiava-se a melhora, mas veio a crise de 2008, um problema atrás do outro, guerra comercial, covid-19 e medo. O que está em gestação para o mundo? Seria o Reset? Como se deveria escrever essa palavra em português do Brasil? Dá confusão de qualquer modo que se escreva, seja pela pronúncia ou pela grafia. “Resetar” seria como interromper o processo já percorrido e reiniciar, o que se faz com frequência em aparelhos eletrônicos, modem e outros.

No percurso da humanidade, no passado distante, na Atlântida destruída e na Suméria, a vida se orientava pelas leis da Criação, ou seja, pela Vontade Criadora de Deus, e tudo evoluía de forma equilibrada. Vieram os tiranos cheios de cobiça por riqueza e poder. Vieram os reis com seu poder absoluto e a religião. A monarquia foi substituída pelo Estado Nação, os mais fortes visando o domínio sobre outros mais fracos e corruptos, sem patriotismo.

O ministro da Educação, Milton Ribeiro, em evento de lançamento de políticas contra a mutilação e o suicídio falou que parcela dos jovens brasileiros se tornou "zumbi existencial" que não acredita mais em Deus. Avaliou que o mundo vive um momento de "desconstrução de tudo", o que deixa o público jovem sem referência ou motivação.

A primeira ciência para as crianças tem de ser a natureza que contém, em suas leis lógicas e coerentes, a perfeição da Vontade Criadora de Deus. Tudo na natureza atesta a perfeição das leis naturais do Criador. Imperfeitos são os seres humanos que, abusando da livre resolução, criaram o caos, mas terão de colher tudo o que semearam.

O Brasil já vinha perdendo terreno no bom preparo dos jovens. Com a desindustrialização, muito da habilidade técnica foi embora. A paralisação imposta pela covid-19 acentuou a indolência geral e perda do ritmo. Mas no caso da educação, vale ressaltar que a escola era fraca, cheia de teorias e pouco desenvolvimento do bom senso e raciocínio lúcido. É o país que se fragiliza, o que é bom para aqueles que querem merendar no pasto Brasil, pois não encontram maiores resistências.

Precisamos fortalecer o preparo da população para uma vida construtiva e benéfica. Temos de oferecer às novas gerações o adequado preparo para que transformem o Brasil no maravilhoso país sonhado de liberdade, com progresso espiritual e material, paz e alegria.

Há muito tempo a economia saiu da naturalidade, dando lugar à ganância, ao desejo de enriquecimento rápido. Os juros altos por longo período atraíam os capitais, o dólar ficou barato desestimulando a produção. A China se aproveitou do vazio e fabricou de tudo para todos. Empregos se perderam. O país deve muito. Classes Média, A, B, C, D, estão todas em declínio.

Desequilíbrio e caos se espalharam pelo mundo. A globalização foi restringindo o poder dos Estados. Há uma nova guerra econômica. O globalismo evoluiu para novos conceitos de orientação da vida e do comportamento. E surge o projeto Reset que se diz quer reiniciar, consolidar e oficializar o poder global sobre a população geral, eliminando os estados-nações e seus governos venais.

O momento é difícil. O Brasil tem sido generoso na produção de alimentos, mas no mundo começa a se desenhar a ameaça da falta de comida. A natureza tem de ser respeitada. A estrutura produtiva não pode ser detonada. Os abusos têm de ser evitados. Cobiças, ganância e atos revoltosos devem ser contidos. A travessia é longa.

Estamos numa fase de complicadas transformações. Os estados-nação, há anos geridos por governos incompetentes e corruptos, deixaram as dívidas irem às alturas, agora acham-se sob ameaça. Dizem os entendidos que vem por aí a unificação do poder e controle sobre a população mundial, uniformizando o comportamento dos povos, reduzindo as liberdades. Quem não soube aproveitá-las para evoluir perceberá que perdeu seu precioso tempo correndo o risco de se tornar descartável pela engrenagem global. Mas é preciso saber que há um grande Reset em andamento, a grande colheita de todas as ações semeadas pela humanidade num curto espaço de tempo. Só poderão subsistir as ações que estiverem em conformidade com as Leis da Criação.

* Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, faz parte do Conselho de Administração do Hotel Transamerica Berrini, é articulista colaborador de jornais e realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. Coordena os sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br. É autor dos livros: “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”;“2012...e depois?”;“Desenvolvimento Humano”; “O Homem Sábio e os Jovens”; “A trajetória do ser humano na Terra – em busca da verdade e da felicidade”; e “O segredo de Darwin - Uma aventura em busca da origem da vida”(Madras Editora). E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7
Data de inclusão: 22/09/2020
Fone: (11) 50966780
Contato: Silvia
Empresa: Redação Virtual
Entrar em contato: Entrar em contato
Grupo editorial:
Este Release foi visto 637 vezes

 

Assessoria de Imprensa
LOGIN -  Inserir Release
Cadastrar Assessoria
Receber Clipping

 

saibamais

 

Clipping para Editores
Cadastrar Midia
Alterar cadastro de Midia
 
 
 
 
 
 
 
 
   
   
       
       
       
 
       
 
Institucional Quem Somos
Como funciona
 
Nas Redes Sociais  
Facebook
Linkedin
Twitter
 
Todo o conteúdo divulgado decorre de informações advindas das fontes mencionadas, sendo, portanto, de responsabilidade exclusiva da fonte ou do autor, não cabendo à INC Comunicação, à Revista ou Pautas INCorporativa responsabilidade por citações, teor, exatidão ou veracidade do conteúdo, produto ou serviço divulgado. Indicação de publicações são apenas para divulgação, não sendo avaliados por este veículo de comunicação.