Escrever Bem

   
Pautas INCorporativa
  SetaSALA DE IMPRENSA FB
 
 
Release
Bookmark and Share      

26/02/2021 - 17:20 - Ecco
Indústria demonstra resiliência na pandemia e perspectivas para 2021 são positivas, segundo José Maurício Caldeira
Indústria demonstra resiliência na pandemia e perspectivas para 2021 são positivas, segundo José Maurício Caldeira - ECCO

Apesar da queda no ano passado, o setor terminou dezembro no azul e oito meses de alta, diz José Maurício Caldeira, sócio acionista e membro do Conselho de Administração da Asperbras ...

Siga as #pautas no Facebook e Twitter         www.pautas.incorporativa.com.br
Após quase um ano de pandemia, os efeitos da Covid-19 ainda estão presentes na atividade econômica. Enquanto o setor de serviços e comércio são mais afetados pelo distanciamento social, o setor industrial tem conseguido resultados melhores e este panorama deve prevalecer este ano. “A indústria demonstra resiliência na pandemia e as perspectivas para 2021 são positivas”, destaca José Maurício Caldeira, da Asperbras.

O cenário otimista transparece nos números do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Em dezembro de 2020, a produção industrial cresceu 0,9% frente a novembro. “Foram oito meses de alta”, diz José Maurício Caldeira. Com isso, o setor acumulou crescimento de 41,8% e eliminou a perda de 27,1% registrada entre março e abril.

O Boletim Focus, do BC (Banco Central), projeta um crescimento do PIB brasileiro de 3,47% neste ano, enquanto a Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), aposta em 4% para o Brasil, 4,5% para a indústria, com destaque para a indústria de transformação, com crescimento de 5,9%.

As projeções trazem boas perspectivas, apesar dos desafios enfrentados atualmente pela indústria. A Fiesp produziu um estudo sobre a disponibilidade de matérias-primas, um dos principais gargalos do setor. O trabalho, que reúne pesquisas feitas entre setembro de 2020 e janeiro de 2021, informa que foi de 33,7% o aumento médio dos custos gerais das companhias no ano passado.  Entre os segmentos com maior dificuldade encontram-se os de resinas plásticas, embalagens de papelão, produtos de aço, ferro, cobre e químicos em geral.

A indústria da construção civil também enfrenta esses percalços. Segundo os dados da Confederação Nacional da Indústria (CNI), o problema atingiu 50,8% das empresas no quarto trimestre de 2020. No trimestre anterior, o percentual era de 39,2%. Mas a pesquisa também mostra que empresários da construção melhoraram suas expectativas em janeiro de 2021, sobretudo para compra de insumos e matérias-primas nos próximos seis meses.

Para José Maurício Caldeira, da Asperbras, o setor imobiliário vive um bom momento. “A Asperbras atua nessa área desde os anos 1990”, frisa o executivo. O Grupo Asperbras é responsável pela construção de edifícios comerciais e residenciais e loteamentos de médio e alto padrão ao longo desse período. Atualmente, atende o mercado por meio da Abitte Empreendimentos e Urbanismo, empresa do grupo que recentemente lançou os empreendimentos Adisa, em Birigui (SP), com oferecimento de 464 lotes e residenciais em condomínio fechado e outros 370 lotes no Quinta do Ipê Residencial Parque, em Araçatuba.

“A tendência é o setor imobiliário ter grande expansão no interior”, ressalta José Maurício Caldeira.  A procura por imóveis nas cidades com mais de 100 quilômetros de distância da capital paulista e com boa infraestrutura aumentou com a popularização do home office. Subiu 340% no primeiro semestre de 2020, em plena pandemia da Covid-19, segundo um levantamento do Grupo ZAP.

CONSOLIDAÇÃO NO MERCADO DE MDF

A GreenPlac, empresa da Aspebras que produz placas de MDF, também está aproveitando as oportunidades trazidas pelo aquecimento da construção civil e do mercado imobiliário.

A companhia lançou neste ano os padrões de cores e texturas Rosato, Volato e Verbenni. Com os lançamentos, a marca oferece 36 padrões diferentes para seus clientes. Trata-se de mais uma etapa de um plano de expansão e consolidação da GreenPlac, que vem sendo implementado desde o início de suas atividades, em 2018.

Ao longo dos dois últimos anos, a companhia tem investido fortemente na autossuficiência de sua planta industrial, instalada em Água Clara (MS). A GreenPlac utiliza madeira própria, plantada em áreas da Asperbras, e instalou uma unidade de produção de resina e outra de formol, insumos utilizados na produção do MDF.

A fábrica reutiliza a água de chuva em seu processo produtivo. Além disso, ela dispõe de autonomia na geração de energia elétrica. A Asperbras dispõe de uma usina termoelétrica de biomassa em Guarapuava (PR), que produz a quantidade de energia equivalente ao que a GreenPlac consome, em Água Clara. A usina alimenta a planta da GreenPlac indiretamente, por meio de compensação energética.

Para as próximas etapas, a GreenPlac pretende conquistar o mercado externo. Para tanto, a empresa tem investido em certificações acreditadas pelo mercado, como a FSC – CoC (Cadeia de Custódia), o ISO (International Organization for Standardization), certificação que promove a padronização das normas e procedimentos, e o selo CARB (California Air Resources Board), que pode dar acesso de seus produtos a importadores dos Estados Unidos.
Data de inclusão: 26/02/2021
Fone: (11) 38881144
Contato: Chris Beller
Empresa: Ecco
Entrar em contato: Entrar em contato
Grupo editorial:
Este Release foi visto 577 vezes

 

Assessoria de Imprensa
LOGIN -  Inserir Release
Cadastrar Assessoria
Receber Clipping

 

saibamais

 

Clipping para Editores
Cadastrar Midia
Alterar cadastro de Midia
 
 
 
 
 
 
 
 
   
   
       
       
       
 
       
 
Institucional Quem Somos
Como funciona
 
Nas Redes Sociais  
Facebook
Linkedin
Twitter
 
Todo o conteúdo divulgado decorre de informações advindas das fontes mencionadas, sendo, portanto, de responsabilidade exclusiva da fonte ou do autor, não cabendo à INC Comunicação, à Revista ou Pautas INCorporativa responsabilidade por citações, teor, exatidão ou veracidade do conteúdo, produto ou serviço divulgado. Indicação de publicações são apenas para divulgação, não sendo avaliados por este veículo de comunicação.